terça-feira, 22 de abril de 2014

Amigo do colegio

Autor: Caliban

Mulato, trintão, sempre tive muito tesão por garotos. Desde moleque, olhava mais para as pernas e bundas dos meninos do que das meninas. Sempre fui mais safado do que a maioria dos meus colegas de escola e de rua. Sempre que dava eu comia uma bundinha ou fazia o garoto inocente chupar minha rolinha. “Rolinha”é modo de dizer, pois meu cacete cresceu logo e eu sempre tive o pau maior que o dos meus colegas - aos 16 anos, já tinha meus 21cm e grosso. Eu era o mais desenvolvido da turma e o pessoal se admirava, alguns queriam conferir de perto e aí...
No final do colegial conheci o Zé Fernando. Baixinho, loiro, olhos verdes, uma cara de criança sapeca. Na primeira vez que o vi de short, na aula de educação física, fiquei de pau duro, mal consegui disfarçar. Cheguei a bater altas punhetas pensando na bunda do moleque. Minha chance surgiu num final de semana que minha família foi para a casa de praia e eu fiquei sozinho pois era época de exames no colégio. A turma marcou para estudar e eu ofereci minha casa. Éramos uns oito, meninos e meninas, e estudamos o sábado todo, até o inicio da noite. Quando o pessoal já estava saindo minha sorte mudou, Zé Fernando perguntou se podia ficar mais um pouco para tirar umas duvidas sobre cálculo.
- Ah, cálculo pra mim é moleza. – respondi, já maquinando um plano.
Depois de mais algumas horas de estudo, sugeri uma parada para descansar. Comemos um lanche e conversamos bastante, mais até que na escola. O assunto acabou desviando para sexo. Fiquei sabendo das suas namoradas e das quase transas que ele teve, o moleque era virgem.
- Vamos ver uns filmes pornôs? Eu tenho uns aqui, escondidos. – falei, vendo os olhos dele brilharem.
No meio do filme tinha uma cena que dois caras trepavam com uma mina, quando um deles começou a chupar o outro, que acabou comendo o cu do amigo enquanto ele chupava a boceta da mina. Zé Fernando parecia hipnotizado, nem piscava. Seu pau estava duro debaixo do short.
- Porra, Zé, não to agüentando, cara. – disse, olhando pra ele com cara de tesão – vou bater uma punheta. – e nem esperei ele responder.
Tirei meu cacete pra fora e comecei a me punhetar. Zé Fernando olhava pra minha vara sem acreditar no que tava vendo.
- Cara, agora sei o porque da sua fama na escola.
Incentivei Zé a bater uma também, ele hesitou um pouco mas logo fez o mesmo. Seu pau não era grande mas era grossinho, clarinho com cabeça rosada.
- Deixa eu te ajudar. – falei, segurando o pau dele e tentando colocar a mão dele no meu cacete.
Zé resistiu um pouco mas eu insisti e logo ele estava batendo uma pra mim. forcei sua cabeça em direção ao meu pau mas ele endureceu o pescoço. Fiquei punhetando seu pau um pouco mais e debrucei sobre seu colo e enfiei sua pica na boca. O moleque se assustou e soltou um gemido. Aproveitei pra lamber seu saco e suas coxas.
- Agora é sua vez. – disse, forçando novamente sua cabeça em direção da minha rola.
Ele ficou meio na duvida mas acabou abocanhando meu pau. Começou meio desajeitado, lambendo só a chapeleta e beijando o tronco da vara, mas logo tava mamando gostoso. Dei um jeito de seu pau ficar na altura da minha boca e engoli novamente seu cacete. A gente ficou num 69 gostoso e Zé Fernando começou a gemer e esporrou na minha boca. Nunca ninguém havia feito isso comigo. Olhei para ele, estava bem vermelho, meu tesão aumentou.
- Vira aí de bruços. – falei, tentando virar seu corpo – Vou fazer um negócio gostoso pra caralho. Vira aí, vai, vira...
Meio ressabiado, ele acabou virando a bunda pro ar. Sua bunda era grande e bem durinha. Passei a mão e atolei o dedo no rego e esfreguei a pontinha no seu cuzinho fechadinho. Ele espremia as nádegas e gemia de leve. Enfiei a cara naquele traseiro, separei suas nádegas com as mãos, expondo seu cuzinho, rosadinho, fechado, as preguinhas apertadas. Passei a língua em volta e depois fui lambendo. Cocei seu cu com o dedo e ele gemeu mais forte, enfiei a ponta do indicador. Zé piscou o cuzinho ao redor do meu dedo, aquele moleque tava pedindo pra levar pica no rabo. Deitei por cima dele e comecei a encoxá-lo, passando a vara entre suas coxas e cutucando seu cu.
- Quero te comer, Zé... vou colocar meu pau nessa bunda gostosa...
- Cara, eu nunca dei a bunda... não... você tem o pau muito grande...
Coloquei minhas coxas no meio das suas, encaixando meu cacete no seu buraquinho. Separei sua bunda, apontei o caralho e comecei a forçar. Era fechado demais mas eu forcei mais e a cabeça começou a entrar.
- Ta doendo... tira, tira... ai...
- Só dói pra entrar... relaxa o cuzinho, pisca em volta... ai, Zé... assim, cara... porra... isso...
Ele gemia forte e choramingava, reclamando do meu pau, mas piscava o cuzinho. Minha rola foi entrando no seu rabo e aos poucos enterrei minha vara inteira. Acho que ainda estava doendo, ele mordia uma almofada, gemia e arfava. Segurei seus ombros e comecei a bombar seu cu, Zé gritou que estava doendo e pediu para eu ir com calma. Sem perceber eu estava metendo nele sem dó. Eu enterrava a pica no seu rabo e mordia sua nuca, lambia sua orelha, peguei seu pau e comecei a bater uma punheta. Zé Fernando começou a gozar e seu cu apertou forte minha rola. Fiquei preso naquele rabo apertado. Comecei a esporrar dentro do seu cu. Gozei dando fortes estocadas e esfregando meus pentelhos na entradinha do seu cu.
Mais tarde, depois do banho, voltamos a estudar, Zé Fernando telefonou para seus pais e disse que ia dormir na minha casa. Na hora de dormir transamos pra caralho. Ele quis me comer também e acabei sentando em seu pau grossinho. O garoto não sabia fazer direito e quase rasgou meu cu, mas depois comi seu rabo. Ainda fodemos umas cinco vezes, Zé não quis mais me comer, pois o que gostava mesmo era de dar a bunda. No final do ano, ele arrumou uma namoradinha e saiu da escola. Apesar de toda minha experiência, até hoje acho que a bunda daquele moleque loiro foi uma das melhores que já comi.
Minha tara por moleques safados e gostosos perdura até hoje.

Primos adolescentes

Autor: Caliban
Conto de Adolescente  categoria homossexual 

Adolescente, 16 anos, com os hormônios à flor da pele. Eu era um mulatinho safado e não perdia nenhuma oportunidade de transar, as meninas que eu namorava só deixavam dar uns apertos e no máximo uma passada de mão nos seios. .Eu tenho um primo 1 anos mais novo que eu. Quando éramos garotos vivíamos muito próximos pois morávamos na mesma rua e estudávamos no mesmo colégio. Sempre fazíamos os deveres de casa juntos, às vezes na casa dele e às vezes na minha casa. Um dia estávamos em minha casa e minha mãe teve de sair, dizendo que iria demorar.
Começamos a deixar os deveres escolares de lado e conversar sobre as meninas do colégio e quem estávamos pegando no meio da conversa eu falei que tinha comido o cú de Roque, um garoto do colégio, menor que a gente de 14 anos.
- Verdade? Conta aí...
- Foi na hora do intervalo, no recheio... a gente estava brincando e terminamos naquele matagal que fica atrás da quadra...
- E ele?
- Quando tirei a roupa, Roque quis recusar pois achou minha rola muito grande...
- E depois?
- Já que ele estava com medo de me dar o cu pedi então pra ele chupar...
- E ele topou?
- Topou, chupou meu pau e eu fiquei pegando nele...
- Legal!
- Depois fiquei passando a mão na bunda dele e ele acabou deixando eu meter a rola no cu dele...
- E aí, ele aguentou?
- Gritou um pouco no começo, mas fui metendo devagarinho e ele foi se acostumando...
- Sua rola é grande mesmo?
- Dizem que é mas com jeito vai tudo, quer ver?
Meu primo fiquoui meio cabreiro, mas disse que queria, então fiquei em pé e abaixei o calção.
- Porra, você é desmarcado!
Dei um sorriso e perguntei:
- Está meio dura, quer pegar nela?
-Qual é, primo, sou veado não...
- Eu não estou dizendo que você é veado... mas pegue um pouquinho...
Aquela conversa estava deixando o moleque pertubado.
- Caraça, você é só 1 ano mais que eu e seu cacete é o dobro do meu...
Ele estava sentado, estático e eu em pé na frente dele com o cacete na altura do seu rosto.
- Peqa nele.
-Tá doido, é muito grande... ele argumentou, sem muita convicção.
- E daí, é só pra pegar...
Ele estava hipnotizado pelo meu pau. Meio tímido ele pegou.
- Primo, como ele tá duro... e quente.
O moleque arregaçou a cabeção e cmo estava perto do seu rosto ele sentiu o cheiro da minha pica.
- Bota na boca, primo, pra ver se você consegue engolir toda...
- Não, cara... eu não sou veado, não...
Ele falava mas não largava minha jeba. A esta altura eu já percebia que ele estava dominado. Segurei meu primo pelo cabelo e conduziu sua cabeça para meu pau.
- Roque engoliu todinha e é menor que você...
Ele foi aproximando a cabeça, abriu a boca e começou a chupar. Primeiro a cabeça, depois foi perdendo a vergonha e começou a mamar de verdade. Por duas vezes engasgou.
- Porra, Tonho, você chupa bem pra caralho, mas assim eu vou gozar e quero gozar no seu cuzinho...
Ele deu um passo para trás e falou:
-No cuzinho não, você está doido? Quer me arrombar?
- Que arrombar que nada... Roque é menor que você e agüentou até o talo...
- Mas você disse que ele gritou...
- Foi só no começo...
- Não sei, não... falou já sem convicção.
- Roque que é pequeno agüentou, você não vai agüentar?
Ele só me olhava e depois olhava pra meu pau na sua mão.
- Você não é homem não? Está com medo de que?
Ele não fazia nada então eu o levantei, abaixei o seu calção e coloquei o moleque de quatro no sofá. Tonho tremia o corpo todo, ainda com medo.
- Calma, fique aí, vou buscar uma brilhantina de meu pai, pra lubrificar seu cu e meu pau...
Ele me olhou e vi o medo nos seus olhos.
- Você vai ver, não vai doer nada...
Deixei o moleque naquela posição e voltei logo e quando passei na sua frente ele ficou ainda mais assustado.
- Cara, parece que seu pau cresceu...
Fui pra trás e abri sua bunda, melei os dedos e passei a brilhantina no seu buraquinho e enfiei um dedo. Ele se contraiu um pouco e eu falei:
- Relaxa, primo...
Quando tirei o dedo ele olhou para trás e me viu lubrificando o pau.
- Pelo amor de Deus, primo, bote devagar...
Eu não disse nada, encostei a cabeça da pica no meu buraquinho e forcei, ele deu um gritinho:
- Ai...
Mas a caceta não entrava, forcei com mais força e nada de entrar.
- Porra, você é apertadinho mesmo...
Então passei mais brilhantina e enfiei dois dedos. Voltei a encostar o cacete na portinha, segurei ele pela cintura e meti com vontade.
- AAAAAAAIIIIIIIIII, tira pelo amor de Deus...
- Calma...
- Que dor da porra...
Ele tentou sair e foi pior, como estava de quatro, ele avançou pra a frente, mas se desequilibrou e caí de bruços no sofá. Eu agarrei o moleque pelos ombros e meti mais.
- AAAAAHHHHHH, tá doeeeennndo...
- Calma, já passou a cabeça...
- Mentira, você meteu tudo...
- Meti só a cabeça, passe a mão para ver...
Ele levou a mão e pegou na sua rola, toda melada de brilhantina.
- Porra... esta quase toda de fora...
- Agora tire a mão...
- Tiro não...
- Está doendo...
- Passa já...
-Tiro não...
Dei um tapa na sua bunda e no susto ele tirou a mão. Eu aproveitei e meti o resto.
- Aiiii... não mete tudo, não...
- Agora já foi... entrou até o talo...
- Porra...
- Ta sentindo? Estou colado em sa bunda...
- Cara, seu pau ta me rasgando...
Não escutei seus apelos e comecei o movimento de vai e vem
- Rebola, que está gostoso...
- Não dá...
- Dá sim... rebola que a dor passa...
Ele começou a rebolar no ritmo das minhasas metidas, eu metia devagar, todinho, depois tirava até quase sair e metia de novo. Ele começou a fungar e a gemer enquanto eu mordiscava sua orelha.
- Ainda está doendo?
- Está ardendo um pouquinho... mas parece que está passando...
- Está gostoso?
- Está... mas não meta com força, não... assim está bom...
- Certo... fica rebolando assim... vou encher seu cuzinho de gala...
- Ele gemia cada vez que eu enterrava o pau até o fundo do seu rabo.
- Eu tirei seu cabacinho... você agora é mea putinho...
Ele já tinha perdido o pudor e pediu:
- Pode meter...
- Eu não disse que você agüentava? está gostoso?
- Está bom demais... que rola grossa...
Então começei a bombar mais forte e ele começou a gozar.
- Cara, eu acho vou gozar...
- Goza... goza no meu pau...
- Estou gozando... Meu Deus... eu estou gozando... - e comecei a esporrar, sujando o sofá todo.
Seu cu apertava meu pau e eu comecei a bombar mais forte.
- Cara, seu pau está crescendo... está ficando mais grosso...
- Eu vou gozar, putinho... aiiii... que cú gostoso...
Comecei a esporarrar e dei uma mordida no seu ombro, eu não tirei o pau, arriei o corpo em cima de dele e fiquei. Depois de um tempo fui tirando o cacete do seu rabo. Quando a vara saiu eu vi que ele estava com o cú todo aberto. Meu primo levou a mão até sua bunda e sentiu o estrago.
- Porra... meu cu ta todo aberto... acho que não fechar mais...
- Fica tranqüilo... ele vai fechar, sim...
Quando ele levantou eu estava olhando pra ele com um sorriso sacana. Minha porra escorreu por sua perna.
- Cara, eu nunca fiz isso... – ele disse envergonhado.
- Eu sei... deu pra ver você era cabaço... me deu um trabalho danado...
- Porra, primo, não conta para ninguém...
- Fica frio... quem come e guarda come duas vezes... e eu quero lhe comer de novo...
- Ah, não sei se tenho coragem. Não... doeu pacas...
- Tem sim... vou fazer você viciar em minha rola...
Enquanto meu primo morou perto da minha casa a gente transava quase todo dia. Às vezes saíamos, dávamos uns pegas numas garotas e quando voltávamos pra casa íamos nos aliviar. Ficamos nisso até ele fazer 20 anos, foi quando mia tia se mudou e meu priminho se foi...

domingo, 20 de abril de 2014

Comi meu primo meio Gay

Há muito tempo atras quando era comum pegar onibus,topic,acostumamos andar muito a pé e era norma  Eu e meu primo  voltar pelo mesmo caminho andando uns 30 minutos ; 
E quando estávamos voltando da escola ontem pela tarde,sabendo que todo adoelscente nesta fase gosta de assuntos sobre  pois estamos no começo  dessa etapa e eu tenho 15 anos e ele 14 anos
Ele começou a falar sobre sexo,sobre punheta até ai tudo bem nada de mais  e me perguntou o tamanho do meu pau eu respondi :16 cm 
ele falou que o dele tinha 15 cm mais era grosso, eu achei estranho aquela conversa então fiquei calado. 
Ele me perguntou se eu não queria cortar caminho caminho por um campo de futebol, eu aceitei de boa, mais ai ele começou a se aproximar de mim e pegar na minha bunda.
Aquelas brincadeirinhas normais que todo jovem gosta de empurrar outro  
Eu empurrei ele e falei que eu não sou viado 
-Ei cara se liga, curto viadagem nao viu !!!!!!
-Tá desculpa era só para descontrair 
 Ele mesmo assim insistiu e disse que eu sou muito gato, eu agradeci e fiquei calado.
 Ao chegar quase perto da nossa casa ele me pediu as questões da tarefa de casa, ele realmente havia faltado aula e não teve como eu dizer não;. 
Entrei na casa dele, a mãe dele trabalha e passa o dia fora e entreguei as questões, ele me ofereceu refrigerante e biscoito.
Enquanto eu terminava o lanche ele disse que ia tomar banho
Dai ele começou a se trocar na minha frente mesmo assim eu fiquei de boa normal, achando nada estranho.
Ai reparei em umas macacadas que ele estava fazendo.. 
Ele pelado em nada rebolava a bunda como se fosse uma menina;
O pior que do nada como eu sempre fui hetero e curti apenas mulher,não sei explicar o motivo mais o que ele estava fazendo me deixou de pau muito duro .
-Ei primo,já terminei o banho,Disse ele vindo em minha direção usando um toalha 
Ele mandou eu tomar um banho na casa dele eu aceitei porque realmente eu estava cheirando mau.
Eu tirei a blusa,o sapato e meias e tirei a calça,já sem cerimonia e ele ficou olhando para meu pau ainda duro na cueca e eu vendo aquela situação sem saber o que fazer,mas ele resolveu tomar uma atitude, de chegou em pé perto de mim
E me empurrou em cima da cama e tirou a toalha dele que esta altura o pau dele estava durissimo e aquela coisa de algo proibido e gostoso ,foi tomando conta de mim,me deixando meu coração disparando e logo sinto a mão dele tocando em minha sintura para baixar minha cueca boxe e recebo uma chupada da sua boca em meu pau.
Eu não queria, que acontecer isso ,mais pedi para continuar mais
-Vai tu que né me chupa mais 
Não aguentei e gozei toda a boca dele.
Apos alguns minuto tentei endurecer o pau 
Ele dizendo que queria sentir minha pica nele 
Quando eu fui colocar meu pau dento docu dele não  entrava 
Então combinamos de fazer isso amanha. 
Não sei se estou afim.
Se acontecer eu conto a vocês como foi .

Eu tirei a virgindade do meu primo de 15 anos eu tenho 17 agora to apaixonada por ele como eu faço

Coisa sempre rola com os primos e eu contarei como aconteceu  assim semana passada a gente foi no sitio do meu tio que eu nem conhecia direito e eu nem conhecia meu primo.
Me chamo Amanda ,sou morena Clara baixa,magrinha 
 Eu não queria ir porque é bem no interiorização mesmo daqui de São Paulo. Chegando lá eu vi meu primo, lindo!!!! Nem parece ter 15 anos ele é alto e forte porque tem que trabalhar no sitio é moreno muito gostoso tipow 
 porém esse meu primo tinha uma timidez pelo andar e olhar dele .

Eu para quebrar o clima comecei a puxar conversa com meu primo falando do sitio se ele tinha mesmo que acordar cedo para tirar leite,soltar os bichos e etc.

Meus pais foram pescar com meus tios mas eu não quis ir alegando que janta passada tinha me feito mau,mai que poderiam ir sem se preocupar comigo.
 Ele também não foi ficou em casa. 
Ai eu deitei na rede que fica na varandinha e ele apareceu, 
eu falei pra ele deitar comigo ele deitou todo tímido, como era rede não tinha muito espaço dai a gente ficou bem coladinho no outro.
Eu vi o pau dele ficando duro.

Eu dei risada e perguntei se ele era virgem ele deu risada ficou vermelho e disse que não,

eu falei pra ele que fazer sexo com cabra e vaca não contava. hahahaha

Ai conversa vai conversa vem e o pau dele estava muito duro na cueca e ficava fazendo volume no calção de time de futebol  e perguntei se ele tocava já punheta ele muito envergonhado me disse que batia desde os 13 anos e  todo dia batia  .

AI e perguntei se ele tinha batido hoje, ele me respondeu que não 
E ai ta fim da gente bater uma punheta e ele apenas balançou a cabeça  e eu peguei baixei o calçao dele  e tirei o pau dele para fora da cueca  e ele so observando e comecei a  PUNHETA nele que ficou delirando coitado acho que nunca tinham feito isso nele antes. 
Depois eu mandei ele deitar no chão e como o brinquedo dele já tava de pé eu sentei em cima e cavalguei. Como eu namoro eu tomo pilula então nem me preocupei com camisinha Aids ele não tem mesmo porque ele era virgem.

Depois eu fiquei de 4 e pedi pra ele fazer igual ele fazia com as cabritas dai ele disse que não transava com cabrita e ficou com raiva. 

De qualquer jeito ele me comeu de 4 como se soubesse o que tava fazendo. Foi muito bom!!!

A gente viu a picape do meu tio vindo de longe dai tivemos que parar, limpamos o chão rapidinho ele foi pra dentro e eu continuei deitada na rede como se nada tivesse acontecido.

 Eu sai do sitio apaixonada pelo meu primo e quando eu transo com meu namorado fico pensando nele!!