domingo, 11 de dezembro de 2016

Peguei meu irmão caçula transando com nosso primo!


Me chamo Cláudio e na época que isto aconteceu eu tinha 17 anos.
Eu sou o filho mais velho da minha mãe, que é divorciada do meu pai, que raramente vem visitar a mim e meu irmão caçula, Gabriel.
Gabriel, na época, tinha 14 anos. E embora sejamos irmãos, ele sempre foi bem diferente de mim. Gabriel sempre foi queridinho por todos os nossos familiares, tinha cabelos escorridos, muito lisos, tinha um físico míudo e todo aquele jeitinho de inocente, de criança bem comportada.
Eu já sempre fui malandro, aprontava pra caralho, vivia de castigo e os nossos familiares sempre me consideravam “o terror da família”. E fisicamente, eu era bem diferente também, meus cabelos eram mais crespos e meu físico mais abrutalhado, mais forte. Gabriel era mais parecido com nossa mãe, e eu com nosso pai.
Nossa relação de irmãos era bem normal, eu vivia tirando onda com a cara dele, zoando ele, brigando com ele, mas tudo normal, coisa de irmãos, né? E eu era 3 anos mais velho que ele.
Eu já namorava, pegava muitas gatinhas. Ele embora fosse um moleque bonitão, era muito tímido e não pegava nem gripe. Claro que eu aproveitava ainda mais para zoar com ele!
No final do ano, nossa mãe sempre nos levava para o sítio dos nossos familiares, no interior de Minas Gerais. Eu detestava, pois era muito chato, não tínhamos primas gatinhas e nem havia nada lá para fazer. O pessoal da família eram todos muito chatos: nossas tias, tios, primos e primas (todas realmente muito feias).
O Gabriel já gostava, adorava ir para aquele lugar. Não sabia o que ele via naquele lugar chato. A única coisa que me agradava um pouco era a comida, que realmente era muito boa, feita em fogão a lenha e tudo mais.
Os nossos familiares ficavam tratando o Gabriel igual bebê, claro, pois ele sempre fora o queridinho e fofinho. Já eu, eles me cumprimentavam e olhe lá, pois eu era o rebelde, que havia puxado o lado do pai ausente.
No domingo de manhã, minha mãe e seus irmãos (a maioria dos adultos) iam para a igreja, mas um dos nossos primos – o mais velho, Robson, tinha 16 anos e era negro, bastante alto e com um físico muito forte – sempre ficava em casa, ele odiava ir a igreja e como era o mais velho, ninguém obrigava ele a ir.
Gabriel e eu também não fomos e nossa mãe não se importava. Quando acordei todos já tinham ido para igreja e fui procurar pelo Gabriel, mas não o encontrei. Procurei também por Robson e também não o encontrei. Imaginei que estariam juntos, pois Gabriel gostava muito de conversar com Robson, era o primo que ele mais tinha afinidade. Eu, entretanto, não tinha afinidade com nenhum deles.
Como o dia estava bem quente e bonito, imaginei que eles poderiam estar na região do rio, que era um pouco afastada das casas. E como normalmente todos estavam na igreja, Gabriel e Robson deveriam estar lá nadando, sem ninguém para atrapalhar.
Andei uns 15 minutos mais ou menos, que era a distância da região das casas para o rio e escutei movimentações no rio. Andei vagarosamente entre as árvores e vi Gabriel e Robson no rio, estavam nadando. Quando ia me aproximar mais e ficar visível aos olhos deles, parei e gelei com a cena que vi: Gabriel – meu irmãozinho de 14 anos, branquinho, miudinho, de cabelos lisos e com carinha de bebê – se aproximou do Robson – meu primo de 16 anos, negro, fortão, de cabelos crespos raspados e jeitão de machão – e os dois começaram a se beijar na boca!
Caralho, fiquei de boca aberta e me ajeitei atrás das árvores, para que eles não conseguissem me ver. Fiquei observando aquela cena sem acreditar, e até me abaixei, pois minhas pernas tremeram. Meu irmãozinho Gabriel chupava os lábios grossos do Robson, as línguas deles se encontravam com muita força! Parecia que o Robson ia engolir a boca do Gabriel, de tanta vontade que eles se beijavam!
Robson alisava suas mãos negras enormes nos cabelos lisos do Gabriel, enquanto chupava o pescoço do meu irmãozinho, que por sua vez lambia os seus próprios lábios e sorria com uma cara de putinha safada!
Depois de muitas chupadas em seus pescoços e beijos demorados, de muita língua e saliva, Robson e Gabriel começaram a nadar até chegar a margem do pequeno rio e se levantaram: os dois estavam pelados e deram as mãos, Robson tinha um pauzão enorme! Estava duraço, fiquei impressionado com o tamanho da pica do negão, deveria ter tranquilo uns 25cm! Mas o que mais me impressionou ainda, é que a pica do meu irmãozinho Gabriel também estava duraça e era bem grande também, muito maior que a minha quando eu tinha a idade dele, devia ter uns 18cm já!
Os dois caminharam de mãos dadas até uma pequena casa, que ficava ao lado da margem do rio. O pessoal de lá usava aquela casinha para trocar e guardar as roupas quando iam nadar.
Quando eles entraram, me aproximei de lá, tentando ser o mais silencioso o possível, para que eles não me descobrissem ali espionando eles. Cara, que raiva que me deu! Eu estava puto da vida, queria pegar meu irmãozinho de porrada! Aquele viadinho tinha tudo para ser pegador de gatinhas e estava ali com aquele nosso primo bombado, no maior love, relando com suas pirocas um no outro!
Fui para o lado dos fundos da casa e através de uma janelinha, comecei a observar os dois lá dentro, tentando ser mais discreto o possível, para que eles não pudessem me ver.
Robson estava sentado num suporte, tipo um banco improvisado, próximo da parede, enquanto Gabriel estava abaixo de quatro, com aquela bunda branca e muito grande e carnuda – incrível já que ele era tão miudinho – empinada para cima. Gabriel estava de boca na rola grande do Robson, chupando, babando, mordendo, lambendo, fazendo tudo que puder imaginar com a boca! Robson alisava os cabelos do Gabriel, que se empenhava naquele boquete!
O que mais me deixava com raiva era que Gabriel sorria o tempo todo para o Robson, com uma cara de putinha, mostrando que estava adorando aquilo, que era mesmo uma puta desgraçada louca por pica! Que viado do caralho aquele meu irmão caçula, puta que pariu!!!
O pior é que meu pau estava duro dentro da minha cueca! Embora minha vontade fosse de surrar meu irmãozinho, eu sentia um tesão do caralho vendo aquilo, e não queria que aquilo acabasse, queria ver aonde ia dar aquela viadagem toda!
O pau do Gabriel estava duraço enquanto ele chupava aquela pica enorme do Robson, e algumas vezes ele levava uma de suas mãos no seu cacete, se masturbando enquanto chupava a pica. Robson levou suas mãos na bunda grande do Gabriel e começou a dar uma série de tapinhas – nisto meu irmãozinho começou a gemer igual cadela – e Robson enfiou o seu dedo médio dentro do cuzinho dele de uma vez! Depois, mal pisquei e percebi que Robson já estava com três dedos dentro do cuzinho do Gabriel, que continuava sorrindo e gemendo para o nosso primo!
Gabriel se levantou e Robson se apoiou na parede, puxando-o violentamente até ele, abraçando-o e o levantando em seu colo. Nisto, Robson começou a encaixar sua rola dentro do cuzinho do meu irmão caçula e sem hesitar começou a bombar!
Robson era forte e Gabriel miudinho, então ele conseguia segurar Gabriel no colo tranquilamente, enquanto encaixado nele, ele socava sua pica preta grande dentro do cuzinho de Gabriel com muita vontade, eu só conseguia ver as bolas do Robson batendo no cuzinho de Gabriel, que gemia e gritava pra caralho, e ainda dizia:
– Vai, primo! Mete gostoso! Mete mais no seu priminho, vai! Soca essa rola toda no meu cu, primo! Quero sentir meu cu arder, vai, mete gostoso, mete, mete mais!!!
Que filho da puta! Que vontade de bater nesse moleque viado do caralho!!! Fiquei puto, mas com um tesão do caralho ao ouvir o meu irmãozinho caçula pedindo mais pica ainda no cu! Cara, jamais imaginei que meu irmãozinho fosse viado e que um dia ia vê-lo sendo comido por um negão e pedir ainda mais pica!
Não sei como ele conseguia aguentar aquela vara enorme, de uns 25cm, dentro do cu dele e ainda conseguia pedir mais! Gabriel estava chorando, eu podia ver os olhos dele lacrimejando, mas ainda sim, ele pedia mais, enquanto Robson socava todo seu pau com toda força dentro do cu do meu irmão!!!
Enquanto fodiam naquela posição, Gabriel e Robson se beijavam ainda mais. Num determinado momento, Gabriel abriu a boca e Robson soltou uma cuspida, que Gabriel recebeu na boca e engoliu, com aquela cara de safado do caralho!!!
Gabriel já parecia muito experiente com aquilo tudo, certamente não era a primeira vez que ele estava dando! Que miserável, quando teria sido a vez que ele perdera a virgindade? Porra, ele só tinha 14 anos!!! Gabriel estava adorando aquilo tudo, seu olhar de puta não escondia todo o prazer que ele estava sentindo rebolando naquela rola grande do nosso primo!
Robson o soltou e voltou a sentar no suporte perto da parede, e Gabriel, em seguida, se sentou no colo de Robson, voltando a encaixar aquela pica dura dentro de seu cuzinho. Gabriel, sentado na vara do Robson, começou a subir e descer, subir e descer, gemendo igual puta, enquanto toda aquela rola socava dentro do seu cu. Robson levou suas mãos na rola de Gabriel e o masturbava enquanto ele rebolava e gemia pra caralho!!!
Gabriel começou a gritar ainda mais de prazer, quando vi que seu pau jorrou um jato de porra, que espirrou longe, indo parar porra até sem franzino peito. Gabriel levou suas mãos em seu peito e limpou a porra com elas, mas logo em seguida, levou toda a porra acumulada em seus dedos na sua própria boca e chupou seus dedos com muita vontade! E depois levou seus dedos na boca de Robson, que também chupou com muito desejo!
Gabriel ainda lambia os seus próprios lábios, com os olhos fechados e sorria com aquele olhar cheio de malícia, longe daquele rostinho que eu conhecia, de bebê comportadinho. Viado!!! Queria meter porrada nele, mas o que eu acabei fazendo foi tirar minha pica para fora da cueca, não aguentei de ver aquilo sem fazer nada e comecei a me masturbar do lado de fora enquanto via aquela cena toda.
Robson mandou Gabriel se levantar, e logo em seguida, meu irmãozinho se ajoelhou no chão e voltou a ficar de quatro, com aquele rabão branco empinado para cima, com o cuzinho até piscando!
Em seguida, Robson começou a se punhetar e Gabriel já esperava de boca, com os olhos fechados, e lambendo os beiços com aquele olhar malicioso, a porra de Robson, que logo chegou, num jato forte, voando porra grossa nos cabelos lisos e no rosto do meu irmãozinho caçula.
Robson limpou o rosto de Gabriel com os dedos e logo meu irmão estava chupando os dedos enormes do nosso primo, com muita vontade, adorando aquele gosto de porra na boca! Gabriel abriu os olhos e se levantou, Robson levou sua boca na dele, e começaram a se beijar! Eu podia ver a porra na língua dos dois, que se beijavam violentamente com muita porra e cuspe!
Quando vi isto meu pau não aguentou e gozei muito! Me apressei em sair dali, morrendo de raiva do puto desgraçado que era meu irmãozinho caçulinha perfeitinho e inocente da mamãe. Voltei a me esconder atrás das árvores e vi que os dois se jogaram no rio, e continuaram lá por uns cinco minutos, se limpando e se beijando.
Depois se levantaram, se vestiram e começaram a vir na minha direção, se preparando para voltar. E eu sai em disparada, correndo, para que eles não pudessem me ver.
Que putinha era meu irmãozinho caçula, o anjinho Gabriel…